Terça-feira, 22 de Maio de 2012

Gostava de saber (ou Quase-poema)

Gostava de saber de cor os teus caracóis;

Gostava de saber com o é sentir-te nos meus lábios;

Gostava de (conseguir) percorrer a tua espinha com a ponta dos dedos;

Gostava de ser mar e de te envolver e causar pele de galinha;

Gostava de ser eco do teu grito no topo da montanha;

Gostava de ser tudo,

Como o ar e o vento

E a vida e o mar

E o grito no topo da montanha

E os caracóis e a pele de galinha,

Para ti.

 

Gostava que soubesses que

És a vida que pulsa e combate com a

Batida inerte de querer que desista

De mim

Gostava que soubesses

A razão dos cigarros e do café

Que eu quero que me consuma e transforme

Em cinza

 

Eu gostava que o soubéssemos.

jess Skinner                                   

 

 

tags:

publicado por jess às 23:25
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De nês a 31 de Maio de 2012 às 23:19
um quase poema daqueles.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


.posts recentes

. Imaginas

. Quente

. És do mundo.

. Gostava de saber (ou Quas...

. ...

. cartas a inês.

. Estória do Claro e da Bru...

. Once apon a time...

. Parabéns, meu amor.

. Com muito amor, minha inê...

.arquivos

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds