Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

Quente

e a saber a mar.

Queria poder senti-lo, prová-lo nos teus lábios e cabelos.

E o mar, esse mar, bandido, que nos apunhala sempre pelas costas.

E rouba as crostas.

Deixa as cicatrizes para nunca esquecer-mos o mal, aquele mal.

Aquele mal que o fez apunhalar-me.

Pelas costas.

E roubou crostas.

E deixou as cicatrizes bem salientes.

Para saber o sítio exacto onde.

Numa próxima vez.

Poder apunhalar.

De novo.

Numa pele nova.

Magoada.

Chorada.

Que faz ter nojo de mim.

E de todos os outros.

De todo o sal que te envolve.

De todo o sal que nos envolve.

De todo o sal que nos envolveu.

É o nojo.

Triste.

Que abala a alma queimada.

Grita amor.

Segrega contrito.

Alma queimada pelo sal.

Gelado.


publicado por jess às 22:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


.posts recentes

. Imaginas

. Quente

. És do mundo.

. Gostava de saber (ou Quas...

. ...

. cartas a inês.

. Estória do Claro e da Bru...

. Once apon a time...

. Parabéns, meu amor.

. Com muito amor, minha inê...

.arquivos

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds